PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Desvendando as maravilhas subterrâneas das cavernas na Califórnia

Foto: Tarciso Morais / CPN-News

Descubra a história geológica e as incríveis formações das cavernas californianas.

As cavernas sempre carregam um ar misterioso, escondendo-se sob a superfície da terra e revelando maravilhas naturais em seu interior.

A Califórnia é um estado repleto de cavernas extraordinárias, como a caverna pintada na Ilha de Santa Cruz e as Cavernas de Lake Shasta, situadas a 2.000 pés acima do nível do mar. Embora a Califórnia seja famosa por suas montanhas, praias e desertos, as cavernas são uma maneira muitas vezes esquecida de vivenciar a natureza desse estado incrível.

A maioria das cavernas na Califórnia são chamadas de “cavernas de exibição”, com acesso facilitado aos visitantes e acompanhamento de guias. Elas costumam contar com escadas, passarelas, pontes e até elevadores que permitem aos turistas e cientistas explorar e estudar o ambiente e as características das cavernas.

Cavernas são formadas por diversos processos, como fluxos de tubos de lava subterrâneos ou erosão em correntes. Entretanto, o tipo mais comum é a caverna carstica ou caverna de solução, formada em rochas solúveis em água, como o calcário.

Ao longo do tempo, a água da chuva dissolve essas rochas, criando ácido carbônico fraco que corrói o calcário. Conforme explica Matthew Doyle, gerente geral das Cavernas de Lake Shasta, em certo momento ocorre um “ponto crítico” no qual o processo de erosão para e começa o depósito de solução de bicarbonato de cálcio, formando as estalagmites e estalactites que decoram as cavernas.

Foto: Tarciso Morais / CPN-News

Cada caverna é única e conta a história do tempo geológico de sua região. Elas não são apenas visualmente impactantes, mas também um registro em constante evolução da história local. As cavernas podem variar de tamanho e formato, desde as minúsculas até as gigantescas, e suas características podem revelar como evoluíram ao longo do tempo.

As cavernas californianas são frequentemente verticais, refletindo a atividade tectônica da área. A atividade tectônica ascendente que criou as montanhas do estado também mudou a orientação das reservas de água subterrâneas que formam as cavernas após a evaporação da água.

Ao se depositar na caverna, o bicarbonato de cálcio, ou calcita, forma espeleotemas, que são as incríveis formações presentes no interior das cavernas. As mais comuns são as estalactites e estalagmites, mas também existem outras, como as cortinas de caverna, formadas quando a água escorre pelas paredes, criando padrões ondulados.

Assim como as árvores, as estalagmites, estalactites e cortinas podem ajudar a determinar a idade de uma caverna.

Segundo Doyle, “a regra geral é que leva 100 anos para crescer um centímetro cúbico”. Nas Cavernas de Lake Shasta, há cortinas com até 80 pés de comprimento, permitindo estimar que essas formações levaram milhares de anos para se desenvolver. Estima-se que as Cavernas de Lake Shasta têm mais de 250 milhões de anos.

É claro que estalagmites e estalactites são apenas o começo. Quanto mais cavernas você visitar, maior será a diversidade de espeleotemas encontrados. Palhas de soda são como estalactites superfinas, parecendo uma floresta de canudos de cristal pendurados no teto.

Foto: Tarciso Morais / CPN-News

Nas Cavernas Mitchell, em Essex, é possível encontrar represas de borda, que se formam na beira de uma piscina e muitas vezes parecem escadas que levam à água. Helictites, presentes em Lake Shasta e em outras cavernas do estado, são espeleotemas de calcário que se projetam das paredes, criando uma aparência semelhante a um emaranhado de espaguete, causado pela pressão da água atrás da parede, em vez da gravidade puxando as gotas de água para baixo a partir do teto.

Um dos espeleotemas menores, mas mais cativantes, é a “pipoca de caverna” ou coralloides, que se assemelham a minúsculas formações de corais nas paredes das cavernas. Cada caverna possui formações distintas, algumas mais simples, enquanto outras são repletas de estalactites, pipocas, palhas e muito mais.

Uma das descobertas mais surpreendentes nas Cavernas de Lake Shasta é a presença de fósseis marinhos a 2.000 pés acima do nível do mar. Isso indica que o solo da caverna já esteve no fundo do oceano antes de ser elevado pela atividade tectônica.

“Em algum momento”, diz Doyle, “isso costumava ser o fundo de um mar jurássico. Com a atividade das placas tectônicas, foi empurrado para esta cadeia de montanhas”. Fósseis e rochas podem revelar muito sobre a história de uma caverna. Da mesma forma, um conjunto de pedras no chão pode ser resultado de um colapso do piso após a água abaixo dele desaparecer.

As cavernas estão repletas de pistas históricas que nos contam coisas fascinantes sobre o passado da região. Agora que você sabe um pouco sobre como interpretá-las, o próximo passo é começar a explorar o incrível mundo das cavernas, conhecido como espeleologia.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE