PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Dupla sertaneja criada por inteligência artificial produz música sobre o ‘ChatGPT’

Foto: Reprodução

A música que põe a inteligência artificial no palco do sertanejo universitário é um grande sucesso nas redes sociais.

Já ouviu falar do hit sertanejo mais recente que está causando furor no TikTok e Spotify? O nome dele é ChatGPT, mas não estamos falando da popular inteligência artificial da OpenAI, mas sim da canção inspirada nela, assinada por João Miguel & Pedro Henrique.

O detalhe curioso? Essa dupla sertaneja simplesmente não existe. Trata-se de uma criação astuta de inteligência artificial (IA).

O produtor musical Diogo Tupinambá, de 28 anos, radicado no Rio de Janeiro, foi quem concebeu a ideia. Inspirado pela frequente presença da tecnologia nas letras do sertanejo, como em “Notificação Preferida” e “Waze Falou”, de Zé Neto & Cristiano, Tupinambá decidiu compor um hit em homenagem ao ChatGPT.

Sem querer vincular seu próprio nome à música, Diogo optou pela IA para sugerir nomes de duplas sertanejas inexistentes. Assim nasceram João Miguel & Pedro Henrique, cantores fictícios cujas imagens foram geradas por um robô “desenhista”.

O refrão da música atesta a influência do ChatGPT: “ChatGPT, faz um recadinho pra ela voltar pra mim. Escreve dizendo que eu ainda tô a fim e que o nosso amor ainda não pode acabar”.

O sertanejo universitário, segundo Tupinambá, se caracteriza por sua proximidade com o cotidiano das pessoas. “Utilizar as tecnologias que estão intensamente presentes no dia a dia de todos é uma excelente maneira de estabelecer essa conexão”, compartilhou o produtor ao G1.

Diogo tentou usar o ChatGPT para criar a letra, mas não ficou satisfeito com a sugestão da IA. Então, decidiu escrevê-la junto à sua namorada, Maria Luiza. A gravação e mixagem da faixa contaram com a colaboração de amigos, resultando em um som de apresentação “ao vivo”.

Embora a contribuição do ChatGPT na composição da letra não tenha sido totalmente bem-sucedida, Diogo enxerga a IA como um instrumento revolucionário, com pontos positivos e negativos. Ele a compara à emergência da internet, que, apesar de ter prejudicado a venda de CDs, facilitou o trabalho dos artistas independentes.

O produtor ficou genuinamente surpreso com a receptividade da música, uma vez que o ChatGPT ainda não é tão difundido quanto outros aplicativos, como o WhatsApp. Agora, enquanto se inspira para a próxima música de João Miguel & Pedro Henrique, Diogo adianta que “ChatGPT” está disponível para ser regravada por uma dupla sertaneja de carne e osso.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE