PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Homem quebra recorde mundial ao passar 100 dias embaixo d’água (vídeo)

Foto: Andy Newman/Florida Keys News Bureau/AP

Joseph Dituri usou a experiência para estudar a conservação dos oceanos e os efeitos da pressão sobre o corpo humano.

Depois de um impressionante total de 100 dias vivendo abaixo da superfície do oceano, Joseph Dituri, professor universitário da Flórida, retornou à superfície, estabelecendo um novo recorde mundial e trazendo consigo um tesouro de novas descobertas.

Dituri, 55, que também é engenheiro biomédico e autodenominado “Dr. Deep Sea”, submergiu-se em um complexo subaquático a 10 metros de profundidade em Key Largo, Flórida, no dia 1º de março e emergiu novamente na sexta-feira.

Confira o vídeo:

O período de tempo o tornou a pessoa que viveu o maior número de dias consecutivos sob a água, quebrando o Recorde Mundial do Guinness na marca de 74 dias de seu projeto, em 13 de maio.

Enquanto residia no fundo da Lagoa Esmeralda no Jules’ Undersea Lodge, o único hotel subaquático dos Estados Unidos, Dituri realizou pesquisas para o Projeto Neptune 100. O projeto, organizado pela Marine Resources Development Foundation, com sede em Key Largo, concentrou-se na pesquisa de conservação dos oceanos e no estudo de como a compressão afeta o corpo humano.

Segundo Dituri, que é veterano da Marinha dos EUA, a pressão da água pareceu encolher sua estatura em meia polegada, de acordo com um comunicado da Universidade do Sul da Flórida. Iniciando o projeto com a hipótese de que o aumento da pressão poderia ajudar os humanos a viver mais e prevenir doenças relacionadas ao envelhecimento, Dituri espera que suas descobertas beneficiem o tratamento de uma variedade de doenças, incluindo lesões cerebrais traumáticas.

Além de sua pesquisa, Dituri também utilizou o projeto como uma experiência educacional para crianças, com a intenção de despertar o interesse delas em ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Enquanto estava submerso, ele continuou ensinando seus alunos virtualmente.

Comemorando o seu retorno, Dituri foi recebido por amigos, familiares, fãs de sua jornada de 100 dias e uma equipe médica da Universidade do Sul da Flórida.

“O corpo humano nunca esteve debaixo d’água por tanto tempo”, disse Dituri. “Essa experiência me mudou de maneira importante, e minha maior esperança é ter inspirado uma nova geração de exploradores e pesquisadores a ultrapassar todos os limites.”

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE