PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Tragédia em mina ilegal de ouro deixa dúzias de mortos na Venezuela

Foto: Reprodução / Twitter

12 garimpeiros perdem a vida em inundação de mina não regulamentada na região sul da Venezuela.

No último domingo (4), a região de El Callao, no Estado de Bolívar, sul da Venezuela, viveu momentos de consternação. A comunidade local acordou com a notícia de uma terrível tragédia em Talavera, uma mina de ouro não regulamentada, onde 12 garimpeiros perderam suas vidas por insuficiência respiratória, após a mina ser inundada devido a fortes chuvas.

Edgar Colina, secretário de segurança cidadã de Bolívar, em entrevista à Reuters, confirmou o fatídico número de vítimas.

O resgate, realizado pelas equipes do sistema nacional de risco, foi finalizado no sábado, três dias após o ocorrido.

“O trabalho foi extremamente desafiador, visto que os corpos já estavam em estado avançado de decomposição”, revelou Colina. “Porém, muitos dos garimpeiros tinham identificação completa e tatuagens, o que auxiliou na identificação.”

Os corpos das vítimas já foram entregues aos seus familiares, segundo Colina. Apesar do saldo de perdas, o secretário afirmou que 112 pessoas sobreviveram à tragédia na mina.

No decorrer deste domingo, as autoridades pretendem voltar ao local do acidente para investigar a possibilidade de mais vítimas ou sobreviventes.

Localizada no controverso Arco Mineiro do Orinoco, criado em 2016 pelo governo de Nicolás Maduro, a área de Talavera é conhecida pela exploração de ouro realizada por garimpeiros informais.

Em um território que se estende por 111 mil quilômetros quadrados, a mineração ocorre por meio de túneis escavados de forma rudimentar.

A atividade mineradora na região tem sido amplamente criticada por organizações não governamentais e órgãos internacionais.

Em um relatório divulgado no ano passado pela ONU, ficou evidente que, nas áreas onde o governo Maduro busca mais receita através da mineração, ocorrem frequentes violações dos direitos humanos.

A tragédia em Talavera ressalta a urgência dessas questões e a necessidade de um debate aprofundado sobre o futuro da mineração no país.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE