Biólogo que desenvolvia pesquisa promissora sobre o coronavírus é morto a tiros nos EUA

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

A polícia encontrou o pesquisador morto em casa com ferimentos de bala na cabeça, pescoço, peito e membros.

O biólogo Bing Liu, 37 anos, professor e pesquisador da Universidade de Pittsburgh, nos EUA, foi encontrado morto em sua residência no último dia 02 de maio.

Segundo o site The Sun, Bing foi assassinado com tiros na cabeça, pescoço, peito e membros.

A polícia também encontrou o corpo de um homem identificado como Hao Gu, 46 anos, em um carro próximo à residência do biólogo, em Elm Court, a cerca de 60 km de Pittsburgh. 

O canal local Action News 4 informou que a polícia acredita que Hao Gu seja o autor do assassinato de Bing, e que tenha se suicidado em seguida.

A polícia ainda desconhece o motivo do crime e repassou o caso para o FBI, por se tratar de morte de estrangeiros.

Em nota, a Universidade lamentou a morte do pesquisador e relatou que Bing estava prestes a fazer descobertas muito significativas para entender os mecanismos celulares subjacentes à infecção por SARS-CoV-2.

Mortes misteriosas de médicos

Anteriormente, a doutora Lorna M. Breen, 49 anos, médica de emergência que estava na linha de frente de um hospital de Manhattan, em Nova York, supostamente “suicidou-se”.

Segundo o Jornal The New York Times, Philip C. Breen, pai de Lorna, e que também é médico, disse que a filha estava tentando fazer o trabalho dela e morreu por causa disso.

Philip diz que Lorna havia contraído o coronavírus, porém, retornou ao trabalho depois de se recuperar da doença, após uma semana e meia.

O hospital, no entanto, mandou ela para casa e ele a recebeu em Charlottesville, no estado da Virgínia, e foi aí que ela tirou a própria vida.

A médica não tinha histórico de doença mental, segundo o pai.

Mas ele revelou que, quando falou com ela pela última vez, a filha parecia desapegada, e ele percebeu que algo estava errado. 

Ela descreveu para ele que pacientes estavam morrendo antes mesmo de serem retirados de ambulâncias.

Segundo o UOL Notícias, outros três profissionais da equipe médica que estava na linha frente do combate ao coronavírus na Rússia “caíram de janelas”.

De acordo com informações, as médicas Yelena Nepomnyashchaya e Natalya Lebedeva morreram na “queda misteriosa”.

Já o terceiro profissional, o médico Alexander Shulepov, havia sido diagnosticado com covid-19 e forçado a trabalhar.

Ele caiu do segundo andar e teve fraturas no crânio.

Os profissionais criticavam a maneira como o governo russo está enfrentando a crise do novo coronavírus no país.

Em publicação no The New York Times, teme-se que esses médicos tenham sido atacados devido a críticas ao governo russo.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

VEJA TAMBÉM

CURTA o CPN

Que tal curtir nossa página?