Câmara convoca Netflix para explicar filme em que Porta dos Fundos zomba de cristãos

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Artigo 208 do Código Penal diz que quem “vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso” poderá ser detido de um mês a um ano, ou pagar multa.

Nesta terça-feira (17/12/19), a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara aprovou a convocação de representante da Netflix para prestar esclarecimentos sobre o filme “A Primeira Tentação de Cristo”, produção do grupo Porta dos Fundos.

O filme narra uma história em que Jesus é um homossexual que tem relação amorosa com o diabo.

O requerimento de convocação aprovado é de autoria do deputado Julio Cesar (Republicanos-DF).

O congressista se baseia no artigo 208 do Código Penal para caracterizar a produção como vilipêndio.

O artigo adverte que quem “vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso” poderá ser detido de um mês a um ano, ou pagar multa.

Para o deputado autor do requerimento, o filme é “uma verdadeira afronta aos valores cristãos“.

“Nós entendemos que uma obra de arte pode abordar diferentes aspectos a respeito desse período histórico sem fazer nenhum tipo de caricatura ou ofensa à imagem de Jesus. No entanto, este filme é uma verdadeira afronta aos mandamentos constitucionais. Constitui crime previsto no Código Penal e verdadeira afronta religiosa aos valores cristãos”, afirmou o deputado.

Um abaixo-assinado que pede a remoção do filme do catálogo da Netflix circula pelas redes sociais e até agora já tem mais de 1,7 milhão de assinaturas.

Procurada, a Netflix informou que não se manifestará a respeito da convocação para audiência pública.

Com informações do site Poder 360.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

COMENTÁRIOS

VEJA TAMBÉM

Gostou deste artigo?

Cadastre seu email e receba novidades em sua caixa de mensagens e fique sempre atualizado e informado.

CURTA o CPN

Que tal curtir nossa página?