Covid-19: novo estudo confirma que deficiência de vitamina D aumenta risco de morte

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Pacientes com deficiência de vitamina D correm o risco de sofrer maiores complicações da covid-19, incluindo a morte.

Após análise de dados globais da pandemia do novo coronavírus, pesquisadores da Universidade Northwestern, dos Estados Unidos, concluíram que a deficiência de vitamina D está relacionada com as taxas de mortalidade por covid-19.

A informação foi publicada no site da revista Veja.

Os dados foram coletados de hospitais da Alemanha, China, Espanha, Estados Unidos, França, Irã, Itália, Reino Unido e Suíça.

Os pesquisadores observaram que as vítimas de países com altas taxas de mortalidades, como Espanha, Itália e Reino Unido, tinham níveis mais baixos de vitamina D, se comparados aos que foram apenas levemente afetados pelo vírus.

A pesquisa foi liderada por Vadim Backman, professor de engenharia biomédica da Northwestern.

Ele e sua equipe examinaram os níveis de vitamina D após perceberem diferenças ​​nas taxas de mortalidade por covid-19 de país para país. 

A partir das análises dos pacientes, os pesquisadores descobriram uma forte correlação entre os níveis de vitamina D e a “tempestade de citocinas”, uma condição inflamatória grave causada pelo sistema imunológico.

A hiper-reação pode danificar gravemente os pulmões e levar à morte por asfixia.

Com isso, Backman acredita que a vitamina D possui um papel fundamental para melhorar o sistema imunológico que não responde bem à doença, e também para evitar que ele se torne hiperativo e cause a “tempestade de citocinas”.

Segundo publicação no site da Northwestern, Backman afirma que a vitamina D realmente ajuda, porém não impede o paciente de contrair o vírus.

No entanto, pode reduzir as complicações e evitar a morte dos infectados.

Ele também faz um alerta:

“Embora eu ache importante que as pessoas saibam que a deficiência de vitamina D pode ter um papel na mortalidade, não é necessário que todos comecem a consumir suplementos de vitamina D. Isso precisa de mais estudos, e espero que nosso trabalho estimule o interesse nessa área”, conclui Backman ao site da Northwestern.

A pesquisa está disponível no medRxiv, um servidor de pré-impressão para ciências da saúde.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

VEJA TAMBÉM

CURTA o CPN

Que tal curtir nossa página?