PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

EUA aprovam medicamento contra infecções intestinais feito com bactérias fecais

Foto: Reprodução/ ASSOCIATED PRESS

Nova opção de tratamento com cápsulas orais é uma alternativa aos transplantes de microbiota fecal.

Os Estados Unidos autorizaram o uso de um novo medicamento para combater infecções intestinais graves, aprovado pela agência reguladora do país, a FDA, na quarta-feira (26).

O remédio é o primeiro feito de bactérias benéficas encontradas em fezes humanas, uma alternativa aos transplantes de microbiota fecal.

A droga, desenvolvida pela Seres Therapeutics, fornece uma versão mais simples e rigorosamente testada de procedimentos baseados em fezes que alguns especialistas já usam há mais de uma década.

Chamada de Vowst, a medicação é indicada para adultos com problemas no combate à bactéria Clostridium difficile (CDI), que pode causar náuseas, cólicas e diarreia intensas.

A infecção afeta cerca de 500 mil americanos por ano e mata entre 15 e 30 mil pessoas, segundo as autoridades de saúde do país.

As cápsulas orais aprovadas pela FDA são para o tratamento de infecções recorrentes por CDI em adultos com mais de 18 anos que já receberam tratamento com antibióticos.

As substâncias usadas para tratar a bactéria são capazes de eliminá-la, mas também destroem os microrganismos benéficos que vivem no intestino, deixando pacientes mais suscetíveis a futuras infecções. Por isso, o novo medicamento é uma opção promissora para tratar a infecção.

De acordo com a FDA, a aprovação do medicamento baseia-se em um estudo de 180 pacientes, em que 88% dos que tomaram as cápsulas de Vowst não tiveram reinfecção após oito semanas, em comparação com 60% dos que receberam placebos.

O tratamento aprovado consiste em tomar quatro cápsulas por dia durante três dias consecutivos.

Embora eficaz, a medicação tem efeitos colaterais comuns, incluindo inchaço, constipação e diarreia. No entanto, o novo medicamento representa uma nova opção de tratamento para pacientes com infecções intestinais recorrentes por CDI, que agora têm uma alternativa aos transplantes de microbiota fecal.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE