PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Febre Maculosa: o que é a doença que matou casal em São Paulo

Foto: Reprodução

A dentista Mariana Giordano e o piloto Douglas Costa são vítimas confirmadas da doença transmitida por carrapatos.

O Instituto Adolfo Lutz confirmou a morte da dentista Mariana Giordano e do seu namorado, o piloto Douglas Costa, devido à febre maculosa.

O casal viajou pela zona rural de Campinas, interior de São Paulo, e para Monte Verde, em Minas Gerais, e começou a apresentar sintomas como febre e dor de cabeça, falecendo no dia 8 de junho.

Uma terceira morte pela doença, de uma jovem de 28 anos, também foi confirmada. Uma adolescente de 16 anos, que estava no mesmo local, está internada em um hospital no município de Campinas e seu caso está sob investigação.

De acordo com o site do Ministério da Saúde, a febre maculosa é uma doença infecciosa, febril aguda, de variada gravidade, podendo variar desde formas clínicas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade. A doença é causada por uma bactéria do gênero Rickettsia, transmitida pela picada de carrapatos.

Os principais transmissores no Brasil são os carrapatos do gênero Amblyomma. O órgão ressalta que “qualquer espécie de carrapato pode albergar a bactéria causadora da febre maculosa”, inclusive o carrapato de cães.

Os sintomas podem facilmente ser confundidos com outras doenças e incluem febre alta, dor de cabeça, dor no corpo, falta de apetite e desânimo. É essencial procurar um médico ao surgir os primeiros sintomas para iniciar o tratamento com antibióticos específicos. A demora pode causar complicações e levar à morte.

O Ministério da Saúde recomenda algumas medidas preventivas, como o uso de roupas claras, calças e blusas de manga comprida em áreas arborizadas, uso de repelentes de insetos, checar se você e seus animais de estimação estão com carrapatos e evitar andar em locais com grama ou vegetação alta.

Segundo a Secretaria de Saúde de São Paulo, neste ano, foram registrados 12 casos de febre maculosa com 6 óbitos, incluindo os três confirmados desde segunda-feira (12) em todo o Estado. Em 2022, foram registrados 53 casos, com 37 óbitos confirmados. Já em 2021, foram 76 casos e 42 óbitos.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE