PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Lua esteve à beira de um bombardeio nuclear durante a Guerra Fria

Foto: Tarciso Morais / CPN-News

Conheça o plano ultrassecreto dos EUA para detonar uma bomba de hidrogênio na superfície da Lua.

No ano de 1969, um passo marcante na história da humanidade ocorreu quando o astronauta Neil Armstrong (1930-2012) deixou sua pegada na superfície lunar. Esse momento, porém, poderia ter sido bem diferente se a Lua estivesse cheia de crateras e contaminada pelos efeitos de um bombardeio nuclear. Em meio à Guerra Fria, os Estados Unidos consideraram seriamente a possibilidade de detonar uma bomba de hidrogênio na Lua, dando origem ao Projeto A119, liderado por Leonard Reiffel (1927-2017).

Leonard Reiffel, renomado físico químico dos Estados Unidos e colaborador de Enrico Fermi, o criador do primeiro reator nuclear do mundo, tinha como objetivo criar uma demonstração de força. As bombas de hidrogênio, mais poderosas do que a bomba atômica lançada sobre Hiroshima em 1945, representavam o ápice da tecnologia nuclear da época.

Entre 1958 e 1959, Reiffel produziu diversos relatórios sobre a viabilidade do projeto. Surpreendentemente, um dos cientistas envolvidos nessa empreitada era o astrônomo Carl Sagan (1934-1996), que posteriormente se tornaria uma figura icônica no campo da astronomia.

O Projeto A119 permaneceu em sigilo absoluto até a década de 1990, quando foi revelado graças a uma menção feita por Carl Sagan em uma inscrição para uma universidade de elite nos EUA. Embora se acredite que o projeto pudesse responder a algumas questões científicas sobre a Lua, seu principal objetivo era impressionar o mundo com uma demonstração de poder.

A ideia era que a bomba fosse detonada na zona de crepúsculo lunar, conhecida como terminador, onde a fronteira entre a parte iluminada e a parte escura da Lua se encontra. Assim, seria criado um brilho intenso visível a olho nu, especialmente para aqueles no Kremlin, em uma tentativa de demonstrar superioridade.

A ausência de atmosfera na Lua evitaria a formação da típica nuvem de cogumelo nuclear. No entanto, o plano obscuro só poderia ser explicado pela insegurança e desespero vividos pelos Estados Unidos na década de 1950 durante a Guerra Fria.

Naquela época, havia uma percepção, alimentada tanto pelos políticos quanto pelo público em geral, de que a União Soviética (URSS) estava à frente dos Estados Unidos na corrida nuclear, especialmente em termos de desenvolvimento e quantidade de bombardeiros e mísseis nucleares.

Embora posteriormente se tenha descoberto que esses temores eram infundados, os Estados Unidos tinham motivos para suspeitar que estavam ficando para trás.

Para surpresa de Washington, os soviéticos conseguiram realizar seu próprio teste apenas três anos depois e, em 1957, deram um grande salto na corrida espacial ao lançarem o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial a orbitar a Terra.

    O nervosismo dos americanos foi intensificado pelo fato de o Sputnik ter sido lançado por um míssil balístico intercontinental soviético, mesmo que modificado. Além disso, a tentativa dos Estados Unidos de lançar seu próprio “satélite lunar” acabou em um fracasso retumbante, com o foguete Vanguard transformando-se em uma enorme bola de fogo, ganhando repercussão global.

    Enquanto isso, nas escolas americanas, os alunos eram submetidos ao famoso filme informativo “Duck and Cover”, no qual uma tartaruga animada chamada Bert ensinava as crianças o que fazer em caso de ataque nuclear.

    No mesmo ano, jornais americanos, citando fontes de inteligência de alto escalão, relataram que os soviéticos planejavam bombardear a Lua com uma bomba de hidrogênio no aniversário da Revolução Russa, em 7 de novembro. Houve também outras reportagens indicando que os soviéticos poderiam estar planejando lançar um foguete com armas nucleares contra os Estados Unidos.

    Assim como muitos outros rumores da Guerra Fria, é difícil determinar sua origem exata. Curiosamente, o mesmo medo provavelmente motivou os soviéticos a seguir em frente com seus próprios planos. Um desses planos, chamado E4, era uma imitação do projeto americano, mas acabou sendo descartado por Moscou devido ao receio de que uma falha de lançamento pudesse resultar na queda da bomba em solo soviético, o que seria um “incidente internacional altamente indesejável”.

    Pode ser que eles tenham percebido que uma aterrissagem na Lua seria mais vantajosa. Em 2000, Reiffel afirmou que o Projeto A119 era “tecnicamente viável” e que a explosão seria visível da Terra. Apesar das preocupações dos cientistas em relação aos danos que a explosão causaria ao ambiente lunar primitivo, a Força Aérea dos Estados Unidos não se preocupava com isso.

    O Projeto A119 foi apenas uma das muitas ideias lançadas como resposta ao Sputnik. Outra ideia era derrubar o Sputnik. Essas propostas eram consideradas golpes publicitários destinados a impressionar as pessoas.

    Tópicos
    Compartilhe

    Veja também

    PUBLICIDADE