PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Onda de calor sem precedentes: pesquisadores alertam para riscos iminentes

Foto: Trevor Hagan / Bloomberg via Getty Images

Estudo aponta locais mais vulneráveis ao calor extremo e a necessidade de preparação imediata para enfrentar eventos climáticos antes inimagináveis.

Pesquisadores alertam, em estudo publicado hoje na revista Nature Communications, que todas as regiões do mundo precisam se preparar para ondas de calor sem precedentes. A pesquisa identifica os locais mais propensos a enfrentar recordes de calor no futuro e insta a população a se preparar desde já para eventos climáticos antes considerados impossíveis.

Os cientistas analisaram as localidades que provavelmente já ultrapassaram seus recordes de temperatura e levaram em conta fatores que tornam algumas comunidades mais vulneráveis do que outras, como crescimento populacional acelerado e acesso limitado a ar-condicionado ou assistência médica.

O estudo destaca que as comunidades com maior risco nunca enfrentaram calor tão extremo no passado. Isso significa que elas podem não estar preparadas para lidar com as consequências, já que os planos de resposta a emergências geralmente são elaborados após a ocorrência de um desastre semelhante.

Vikki Thompson, autora principal do estudo e cientista climática no Instituto Meteorológico Real dos Países Baixos, afirma: “Qualquer lugar do mundo pode vivenciar uma dessas ondas de calor além do que é atualmente considerado possível”. Ela acrescenta que as comunidades em risco ainda não tiveram motivos para se adaptar e aprender a conviver com esse fenômeno.

A motivação para essa pesquisa foi a onda de calor de 2021, considerada a mais extrema já registrada na América do Norte. O recorde de calor no noroeste dos Estados Unidos e sudoeste do Canadá resultou em estragos em infraestruturas e aumento das visitas a emergências médicas.

A equipe de Thompson analisou dados de 1959 a 2021 para estimar a probabilidade de ocorrência de um evento tão drástico quanto a onda de calor de 2021 na América do Norte. Eles determinaram que a onda de calor foi um evento raro, além de 1 em 10.000 anos. No entanto, descobriram que ondas de calor tão extremas quanto essa também atingiram 31% das regiões estudadas.

O estudo aponta o Afeganistão como a região de maior preocupação. Embora o país já enfrente verões quentes, um evento raro de 1 em 10.000 anos seria inédito na história moderna, com temperaturas potencialmente testando os limites do corpo humano.

Outra área com maior risco de calor sem precedentes é a América Central, especialmente Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Panamá. O estudo também identifica Alemanha, Holanda e Bélgica como países com risco de calor extremo, mas como nações mais ricas, é provável que possuam mais recursos para se prepararem com antecedência.

Vikki Thompson enfatiza a importância da preparação: “Há muitas pesquisas climáticas mostrando que as ondas de calor ocorrerão com mais frequência. Os formuladores de políticas precisam garantir que estão preparados e que estão prontos para enfrentar eventos além do que pensávamos ser possível”.

As mudanças climáticas são frequentemente chamadas de “multiplicador de ameaças”, uma vez que podem piorar situações já precárias. Isso é uma grande preocupação no Afeganistão, um dos países mais pobres do mundo, após anos de conflito. A nação também enfrentou secas severas e inundações repentinas, outros sinais do impacto das mudanças climáticas. O rápido crescimento populacional aumenta os riscos associados a eventos climáticos extremos, incluindo temperaturas mais altas do que as observadas no passado.

A pesquisa alerta para a necessidade de os países se adaptarem e se prepararem para enfrentar ondas de calor extremas e sem precedentes, uma vez que eventos como esses tendem a acontecer com mais frequência devido às mudanças climáticas. Investir em infraestrutura adequada, garantir acesso à assistência médica e desenvolver planos de emergência eficazes são medidas cruciais para preservar vidas e minimizar os impactos desses eventos climáticos extremos.

Em um cenário global em constante mudança, é fundamental que os governos e as comunidades estejam prontos para enfrentar desafios antes inimagináveis e proteger suas populações do calor extremo e de outros fenômenos decorrentes das mudanças climáticas.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE