Pesquisa alerta sobre o perigo do uso da maconha na gravidez

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Estudo realizado com mais de 600 mil mulheres avaliou os efeitos do consumo de maconha durante a gravidez.

O consumo de maconha tem sido cada vez mais relativizado.

Para muitos, a droga é até medicinal – o que definitivamente não é verdade.

Um novo estudo publicado no Journal of the American Medical Association, mostra como o uso da maconha na gravidez pode afetar o parto e o recém-nascido.

Esse estudo é enorme e muito abrangente.

Incluiu mais de 600.000 mulheres – efetivamente todas as mulheres que deram à luz em Ontário, Canadá, de 2012 a 2017 – e os dados vêm de registros administrativos.

Os resultados dos bebês foram medidos objetivamente e as informações sobre o uso da maconha foram coletadas da mesma maneira para todos na amostra.

As mulheres foram questionadas sobre isso em uma visita pré-natal precoce, e as respostas foram incluídas nos registros oficiais.

O uso da droga foi autorrelatado, mas todas as mulheres receberam a mesma pergunta.

Os pesquisadores descobriram um risco maior de complicações no parto entre as usuários de maconha; um risco maior de parto prematuro; um risco maior de o bebê ser pequeno para a idade gestacional e um risco maior de transferência para a UTI neonatal. 

Todos esses riscos, segundo o estudo, eram grandes.

Por exemplo, o risco de nascimento prematuro foi de 10% no grupo de usuários de cannabis, contra 7% entre os não usuários.

Essa é uma diferença estatisticamente significativa.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

COMENTÁRIOS

VEJA TAMBÉM

Gostou deste artigo?

Cadastre seu email e receba novidades em sua caixa de mensagens e fique sempre atualizado e informado.

Curta