A República nasceu da disputa de dois homens por uma mulher

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Uma história de amor mal resolvida foi o principal motivo para que a República fosse proclamada.

A história como nos é oficialmente contada, quase sempre, é uma farsa.

Os fatos históricos que vamos contar a você agora, é bem provável que seu professor de história não os tenha lhe contado

Em 15 de novembro de 1889, a Monarquia brasileira caía.

No seu lugar, entrava a República, nascida de um golpe militar alimentado por intrigas e por uma longa dor de cotovelo.

Depois da consagradora vitória na Guerra do Paraguai, o Exército brasileiro ganhou prestígio e uma crescente força política.

A filosofia positivista orientava o pensamento de boa parte dos nossos militares – como é até hoje.

Quando a princesa Isabel assinou a lei que libertou os escravos, em 13 de maio de 1888, a Monarquia já não era uma unanimidade nos quartéis.

Entre o povo, porém, o imperador dom Pedro II era ainda muito querido.

Dom Pedro II e a família imperial

Não por acaso, o Partido Republicano fracassara em todas as eleições disputadas, elegendo poucos candidatos.

Mas em 1889, uma mentira mudou tudo.

Os republicanos aproveitaram-se de uma insatisfação do marechal Deodoro da Fonseca com o Império e o convenceram de que o então Presidente do Conselho de Ministros de Pedro II, o visconde de Ouro Preto, havia expedido uma ordem de prisão contra ele.

Era uma mentira, uma farsa ardilosamente tramada para colocar o Exército contra o imperador.

Deodoro, que já andava muito chateado com o governo monarquista, reuniu um pequeno batalhão e marchou pelo Rio de Janeiro, exigindo a deposição de todo o ministério.

Ele conseguiu.

Mas os republicanos queriam muito mais que uma troca de ministros.

Dom Pedro II se encontrava em Petrópolis.

Havia o receios dos republicanos que o marechal Deodoro da Fonseca, que era amigo pessoal do imperador, se entendesse com ele depois de expulsar o visconde de Ouro Preto do ministério.

E foi então que veio a segunda e decisiva mentira.

Deodoro estava cansado e doente e, depois de marchar com a tropa e conseguir seu objetivo, retornara para descansar em casa.

Os revolucionários republicanos, sabedores do risco de acordo entre o imperador e o marechal, foram até a casa de Deodoro para convencê-lo de proclamar imediatamente a República.

E inventaram uma história que deixaria o marechal completamente descontrolado: o imperador havia escolhido para ser o novo ministro-chefe sGaspar Silveira Martins, antigo desafeto de Deodoro – os dois tinham disputado o amor da mesma mulher na juventude – Adelaide – e viraram rivais para o resto da vida.

Completamente indignado, o marechal Deodoro da Fonseca foi convencido – pela mentira – que era hora de derrubar o império e proclamar a República.

Por meio de um golpe , sem apoio popular, e alimentada por muitas mentiras – assim a República nasceu.

No vídeo abaixo, produzido pelo Brasil Paralelo, você sabe mais um pouco sobre esta história.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

VEJA TAMBÉM

CURTA o CPN

Que tal curtir nossa página?