PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Estação Espacial Internacional se prepara para o último ato

Foto: GETTY IMAGES

O show de reentrada da estação espacial internacional deve ser impressionante. Saiba todos os detalhes.

Prepare-se para um espetáculo celestial inédito em 2031. Imagine um colosso de 400 toneladas desenhando um rastro de fogo no céu, para terminar sua jornada épica em um mergulho no Pacífico. Não é ficção, meus amigos. Estamos falando do destino final da Estação Espacial Internacional (ISS).

Desde que começou a dançar pela órbita da Terra em 1998, a ISS se tornou um lar temporário para mais de 250 astronautas de 20 países diferentes. Uma obra-prima da colaboração global, a estação é uma conquista monumental da parceria entre Estados Unidos e Rússia. Como disse Thomas Zurbuchen, ex-chefe de ciências da NASA, a ISS é “uma das grandes vitórias internacionais”.

No entanto, o tempo cobra seu preço até mesmo no vazio do espaço. Com equipamentos que têm décadas de idade, a estação pode tornar-se perigosa e até incontrolável em sua órbita da Terra. Não queremos reviver o drama da estação espacial soviética Salyut 7, que em 1985 precisou de reparos de emergência por dois cosmonautas. Para evitar tal catástrofe, a ISS será aposentada em 2031, numa descida controlada que terminará com um mergulho seguro no Pacífico, num evento que promete ser a maior reentrada espacial da história.

Organizar tal façanha é um desafio colossal. A NASA já solicitou ao Congresso dos EUA recursos para desenvolver um “rebocador espacial”, um veículo para empurrar a estação de volta para a atmosfera. E mesmo com um orçamento estimado em quase US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5 bilhões), o retorno seguro da ISS é um desafio sem precedentes. Afinal, a ISS é três vezes maior que a estação espacial Mir, que foi reentrada na atmosfera em 2001.

A ISS, com seus 109 metros de comprimento – equivalente a um campo de futebol – e 16 módulos, é a maior estrutura humana já montada no espaço. Sua vida útil já foi estendida várias vezes, mas parece consensual que seria perigoso ir além de 2030. Então, o plano é empurrar a ISS inteira de volta para a atmosfera, em um processo que começará em 2026, quando a órbita da ISS começará a cair naturalmente devido ao arrasto atmosférico.

Quando a estação atingir o ponto de não retorno em 280 km de altitude, veículos de carga russos Progress darão o impulso final para a reentrada na atmosfera. No entanto, devido a recentes problemas com esses veículos e a deterioração das relações políticas entre EUA e Rússia, a NASA está estudando alternativas próprias.

Caso tudo ocorra conforme o planejado, os fragmentos que sobreviverem à reentrada cairão no chamado Ponto Nemo, uma extensão do Oceano Pacífico entre a Nova Zelândia e a costa do Chile.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE