PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Garrafa de vinho mais antiga do mundo com 1700 anos ainda é potável

Foto: Reprodução / Terra

Garrafa de vinho com 1700 anos é exposta em museu alemão, enquanto a paixão pela bebida inspira a produção caseira.

O vinho é uma das bebidas mais antigas e emblemáticas da história da humanidade, e um exemplo disso pode ser encontrado no Museu Histórico do Platinado, na Alemanha. Lá, tesouros como peças de ouro centenárias e a garrafa de vinho mais antiga do mundo, com quase 1700 anos, atestam a longevidade dessa bebida fascinante.

A “garrafa de vinho Speyer”, nome dado em homenagem à cidade onde se encontra o museu, é datada de aproximadamente 325 d.C. e foi descoberta intacta e lacrada, enterrada junto a dois romanos de classe alta. E a pergunta que não quer calar: será que esse vinho ainda é bebível?

De acordo com um estudo publicado no IFL Science, o vinho milenar poderia ser consumido, mas não seria uma experiência prazerosa. Monika Christmann, professora de vinhos, explica que, embora microbiologicamente seguro, o líquido, com aparência de resina, não possui mais teor alcoólico e seu sabor lembraria uma “goma de mascar sem gosto”.

Foto: Reprodução / Terra

Preservado por séculos graças ao azeite que os romanos colocavam sobre o vinho e uma camada fina de cera na boca da garrafa, o precioso líquido ainda é motivo de curiosidade e admiração. No entanto, os especialistas não sabem se o vinho resistiria à abertura da garrafa e, por isso, provavelmente ela nunca será aberta.

A garrafa, além de abrigar a bebida, é uma verdadeira obra de arte com alças inspiradas em golfinhos. O amor pelo vinho atravessa gerações e, atualmente, há uma infinidade de rótulos disponíveis para degustação. E, para os mais entusiastas, é até possível produzir o próprio vinho em casa.

Deco Rossi, especialista em vinhos da Winet, ressalta que a produção caseira é trabalhosa e, em geral, resulta em vinhos mais simples.

Para fazê-lo, é preciso conhecimento básico, aparelhagem adequada e, claro, uvas de qualidade. As uvas de mesa, como bordô e isabel, produzem vinhos suaves e doces, mas é necessário adicionar açúcar durante o preparo. Já as uvas Vitis vinifera, como cabernet sauvignon, malbec e sirah, dão origem a vinhos mais complexos, embora às vezes seja preciso adquirir leveduras para a fermentação.

Tópicos
Compartilhe

Veja também

PUBLICIDADE