Você sabe o que é o vape? Saiba tudo sobre a nova tendência

Modelo de vape em diversas cores. (Foto: pixabay.com)
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Nesse artigo você irá conhecer o vape, também conhecido como cigarro eletrônico, que é a nova sensação entre os jovens desavisados.

Não é segredo para ninguém que o cigarro é um verdadeiro veneno para o corpo humano.

Substâncias como a nicotina, presentes no tabaco, são extremamente perigosas e causam diversos tipos de doenças.

Para se ter uma ideia, estima-se que nove entre dez casos de câncer de pulmão, sejam causados pelo cigarro.

Por esse e outros motivos, o hábito de fumar deveria ser rejeitado pelas pessoas.

Entretanto, o número de fumantes só cresce a cada ano e, além disso, uma nova modalidade do vício tem ganhado espaço nos últimos anos.

Trata-se do uso do vape, que nada mais é que uma versão eletrônica do cigarro.

Continue lendo e entenda tudo sobre esse dispositivo e os perigos escondidos por trás dessa novidade controversa.

O que é o vape?

Jovem mulher fazendo o uso do vape. (Foto: pixabay.com)

O termo “vape” vem da língua inglesa e é uma junção entre o equivalente da palavra “vapor” no inglês e um sinônimo da expressão “fumar algo vaporizado”.

No que diz respeito à fumaça que produz, o equipamento possui semelhanças com o também reprovável Narguilé, uma espécie de cachimbo oriental antigo, composto por mangueiras e um recipiente.

O vape, que geralmente possui o formato de um isqueiro, possui uma boquilha por onde as pessoas sugam a fumaça que ele produz, fazendo o movimento de “tragar”, comum aos fumantes.

Os dispositivos que criam a fumaça no vape simulam o efeito provocado por um cigarro comum.

Diferente do cigarro convencional e do Narguilé, o vape não possui nicotina em sua composição, mas conta com outras diversas substâncias nocivas, tais como a vanilina e o benzaldeído.

Os perigos do cigarro eletrônico

Informações falsas sobre o vape, muitas vezes disseminadas até mesmo por influenciadores digitais, têm circulado pela internet.

Diz-se que o cigarro eletrônico seria “saudável” por não conter nicotina.

Porém, especialistas alertam que as substâncias presentes na composição do cigarro eletrônico também podem causar lesões graves no trato respiratório dos usuários.

Além disso, a temperatura do vapor produzido pelo dispositivo também é prejudicial aos pulmões.

Em síntese, são mentirosas as afirmações de que o vape é composto apenas por essências inofensivas.

Preocupação das autoridades

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), desaprovou o uso do vape, tornando proibida a comercialização do produto no Brasil.

Entretanto, o cigarro eletrônico segue sendo vendido a jovens e adolescentes, que adquirem a novidade letal na internet, por meio de importação, ou com vendedores ilegais.

Para ilustrar essa situação a nível global, a OMS (Organização Mundial da Saúde), estima que em apenas 10 anos de existência no mercado, o vape já alcançou cerca de 40 milhões de usuários.

O tabagismo deve ser evitado, em todas as suas formas

Além das mentiras em torno da composição do vape, a sua proposta “moderna” é outro fator que atrai os mais jovens.

Todavia, como já foi dito, a aparência high-tech do produto não deve ser levada em conta, pois os seus riscos à saúde são comprovados e se assemelham aos vistos no cigarro comum.

O hábito de fumar deve ser evitado, não importando o dispositivo que seja usado para fazê-lo.

Leia também: 8 usos que a Coca-Cola tem e você não sabia

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

VEJA TAMBÉM

CURTA o CPN